Palavra sem “Dono” – 26 º Domingo do tempo comum 30.09.2018

Celebramos neste domingo o DIA DA BÍBLIA. A Palavra de Deus sempre nos oferece uma luz para as mais diversas situações de nossa vida. Ela pode ser proclamada por quem Deus quer não é propriedade exclusiva de ninguém…

PALAVRA – (Mc 9,38-43.47-48) – 38 “Mestre”, disse João, “vimos um homem expulsando demônios em teu nome e procuramos impedi-lo, porque ele não era um dos nossos.” 39“Não o impeçam”, disse Jesus. “Ninguém que faça um milagre em meu nome, pode falar mal de mim logo em seguida, 40pois quem não é contra nós está a nosso favor. 41Eu digo a verdade: Quem der um copo de água a vocês em meu nome, por vocês pertencerem a Cristo, de modo nenhum perderá a sua recompensa. 42“Se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que creem em mim, seria melhor que fosse lançado no mar com uma grande pedra amarrada no pescoço. 43Se a sua mão o fizer tropeçar, corte-a. É melhor entrar na vida mutilado do que, tendo as duas mãos, ir para o inferno, onde o fogo nunca se apaga, 44onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga. 45E, se o seu pé o fizer tropeçar, corte-o. É melhor entrar na vida aleijado do que, tendo os dois pés, ser lançado no inferno, 46onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga. 47E, se o seu olho o fizer tropeçar, arranque-o. É melhor entrar no Reino de Deus com um só olho do que, tendo os dois olhos, ser lançado no inferno, 48onde “‘o seu verme não morre, e o fogo não se apaga’.

MENSAGEM – Celebramos neste domingo o DIA DA BÍBLIA. A Palavra de Deus sempre nos oferece uma luz para as mais diversas situações de nossa vida. Ela pode ser proclamada por quem Deus quer,

não é propriedade exclusiva de ninguém… Na 1ª Leitura, vemos que a Palavra não é Monopólio de ninguém. (Nm 11,25-29) Em nossas comunidades, podemos também nos deixar levar pela tentação de Moisés de querer fazer tudo sozinho, ou pelo ciúme de Josué, de impedir o trabalho de quem não for do “grupo”. Pelo Batismo, todos recebemos a missão de ser profetas, sacerdotes e reis. Todos somos chamados a falar em nome de Deus, anunciar o seu Reino. Todos os batizados receberam a missão de santificar os ambientes onde vivem e trabalham. Todos somos reis e devemos usar o poder para cuidar com retidão de tudo e de todos como criaturas de Deus. Na 2ª Leitura, Tiago denuncia o acúmulo de riquezas de alguns, à custa da miséria de muitos. (Tg 5,1-6) O Evangelho mostra que ninguém tem o Monopólio de Cristo. (Mc 9,38-43.47-48) Os apóstolos não conseguem expulsar o espírito imudo de uma pessoa… Pelo contrário, uma pessoa “fora” do grupo consegue, em nome de Jesus… Os Discípulos, aborrecidos, manifestam sua insatisfação. JESUS rejeita o exclusivismo: “Não lhe proíbam… Quem não está contra, está a nosso favor”. As Leituras lembram DUAS VERDADES: 1) A PALAVRA de Deus não é monopólio de ninguém: deve ser anunciada por todos: “Oxalá todo o povo profetizasse” 2) O NOME de Jesus não é monopólio de ninguém: Mais do que pertencer ao grupo de Cristo, o importante é estar “em sintonia” com Jesus… No dizer do Papa: “Devemos ser amigos de Jesus, não donos”. As Igrejas separadas, que também falam em nome de Jesus, devemos combatê-las como inimigas, ou enxergá-las como possíveis parceiras no trabalho do Reino? O REINO não pode ser um grupo fechado e fanático, que se arroga a posse exclusiva de Deus e de suas propostas. Deve ser uma comunidade que reconhece não ter o exclusivo do bem e da verdade e se alegra com tantas pessoas, que buscam a Deus com sinceridade, praticam com lealdade o Bem, a Verdade e a Justiça, mesmo sem pertencer ao “nosso” grupo. Por que ter inveja daqueles que cumprem gestos generosos que talvez nós não tivemos a coragem para fazer? Jesus não quer que sua IGREJA seja um gueto fechado, mas um rebanho aberto a outras ovelhas, que ainda não são do seu rebanho. Deve estar sempre atenta aos sinais dos tempos, para uma perene renovação, guiada pelo Espírito do Senhor… O apelo de Jesus no sentido de não “escandalizar” os pequenos lembra a atitude que as pessoas e as comunidades devem ter para com os “pequenos”, os pobres, os que falharam, os que se afastaram, os que têm fé sem profundidade, os marginalizados pela sociedade… Eles olham para seus líderes, esperando verdadeiro testemunho de fé e amor. Os Donos da Igreja, o que fazer deles? Em nossas comunidades cristãs, há pessoas capazes de gestos incríveis de doação, de entrega, de serviço; mas há, também, pessoas, preocupadas em proteger o espaço de poder e de prestígio, que conquistaram. São verdadeiros donos do santo e das coisas da comunidade. Essas pessoas são responsáveis de muita gente se afastar da comunidade. Só elas sabem, só elas são capazes, só elas dão o palpite certo. Essa gente não está servindo à comunidade, mas sim a si mesmo, a seu orgulho, a sua vaidade. Em nosso serviço na Comunidade, estamos protegendo os interesses de Deus, ou os nossos projetos e interesses? Deus sempre se serviu de pessoas para anunciar a sua Palavra e assim realizar os seus Planos de Salvação… Sentimo-nos “donos” ou instrumentos da Palavra de Deus? Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 30.09.2018