O Sofrimento – 5º Domingo do Tempo Comum

vemos Jesus diante do sofrimento (Mc 1,29-39) O texto narra uma jornada messiânica de Jesus, no início de sua missão pública na Galiléia. Inicialmente, mostra o Messias proclamando o Reino de Deus.

O Sofrimento

PALAVRA – Evangelho segundo S. Marcos 1,29-39. 

Naquele tempo, Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, a casa de Simão e André. A sogra de Simão estava de cama com febre e logo Lhe falaram dela. Jesus aproximou-Se, tomou-a pela mão e levantou-a. A febre deixou-a e ela começou a servi-los. Ao cair da tarde, já depois do sol-posto, trouxeram-Lhe todos os doentes e possessos e a cidade inteira ficou reunida diante da porta.
Jesus curou muitas pessoas, que eram atormentadas por várias doenças, e expulsou muitos demônios. Mas não deixava que os demónios falassem, porque sabiam quem Ele era. De manhã, muito cedo, levantou-Se e saiu. Retirou-Se para um sítio ermo e aí começou a orar. Simão e os companheiros foram à procura d’Ele e, quando O encontraram, disseram-Lhe: “Todos Te procuram”. Ele respondeu-lhes: “Vamos a outros lugares, às povoações vizinhas, a fim de pregar aí também, porque foi para isso que Eu vim”. E foi por toda a Galileia, pregando nas sinagogas e expulsando os demónios. A Liturgia dominical procura sempre iluminar a nossa vida nas mais diversas situações. Uma situação concreta que aflige o homem de todos os tempos é o SOFRIMENTO.

MENSAGEM – Por que há no mundo tantas pessoas sofrendo? Ninguém gosta de sofrer… mas o sofrimento existe: injustiças, guerras, calamidades, pobreza, fome, discórdias, doenças… Quem é o culpado? Seriam os nossos pecados? É um castigo de Deus? Como explicar então os inocentes… o Cristo na cruz? Por que Deus permite essas coisas sem intervir? Por que o justo também sofre e o malvado parece estar em situação melhor? Qual é o sentido do sofrimento e da dor? As leituras bíblicas nos dão uma resposta… No Evangelho, vemos Jesus diante do sofrimento (Mc 1,29-39) O texto narra uma jornada messiânica de Jesus, no início de sua missão pública na Galiléia. Inicialmente, mostra o Messias proclamando o Reino de Deus. A seguir, mostra a realidade do Reino atuando no mundo como salvação e libertação, nas palavras e gestos de Jesus. Apresenta Jesus agindo diante de uma multidão de sofredores: Ele aparece solidário à dor dos homens e atento às suas necessidades. Com a autoridade que lhe vem do Pai e em comunhão total com o Pai, Jesus vence o mal e a dor que escravizam o homem e anuncia um mundo novo de liberdade e de vida plena. Sai da sinagoga e na casa de Pedro: Aproxima-se da sogra de Pedro… estende a mão… e a “levanta”… Ela retoma a vida normal, acolhe e serve os hóspedes… “Todos o procuram… Cura muitos doentes e endemoniados”… “De madrugada, levanta-se e vai rezar, num lugar DESERTO…”: Com a pregação: ilumina os espíritos, revela o amor de Deus, leva as almas à fé, dá sentido à dor… e mostra o caminho da salvação. Com os milagres: cura corpos enfermos… expulsa demônios… Quer um mundo novo, sem qualquer forma de dor… Com a oração: compreende o plano de Deus e aceita a vontade do Pai… Só a verdadeira oração pode nos iluminar o sentido da dor… O sofrimento continuará sempre sendo um mistério… Jesus não elimina o sofrimento, mas nos ensina a carregá-lo com amor e esperança, para que dê frutos de vida eterna… Jesus nos garante de que Deus nunca nos abandona… Resta-nos confiar em Deus e entregar-nos em seu amor. Os cristãos não descobriram o caminho para evitar o sofrimento. Sofrem como os outros e, às vezes, até mais do que os outros, mas descobriram que a Cruz de Jesus Cristo é redentora. Carregar a cruz sozinhos é desesperador… Mas unidos a Cristo, todo sofrimento é salvador, inclusive o nosso… Qual é a nossa atitude diante dos nossos sofrimentos? de aceitação… ou de revolta? (Jesus: no Getsêmani… no Pai Nosso…) Qual é a nossa atitude diante do sofrimento dos outros? Estendemos a mão e ajudamos a se libertar? No dia 11/02, celebramos o 26º Dia mundial do enfermo. O Papa nos propõe como Lema palavras que Jesus dirige a Maria, sua Mãe, e a João, no alto da cruz: “Eis o teu filho… Eis a tua mãe!” (Jo 19, 26-27). “Palavras que iluminam profundamente o mistério da Cruz. Esta não representa uma tragédia sem esperança, mas o lugar onde Jesus mostra… as suas últimas vontades, para a comunidade cristã e da vida de cada discípulo… Na cruz, Jesus preocupa-se com a Igreja e toda a humanidade, e Maria é chamada a partilhar esta mesma preocupação”. (Francisco) Rezemos para que Deus nos dê muita luz para compreender o mistério do sofrimento e muita coragem para carregá-lo com amor.

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 04.02.2018