Minorias religiosas da Ásia, uma preocupação do Papa Francisco

“Peçamos por todos eles, para que, nos países asiáticos, os cristãos, como também as outras minorias religiosas, possam viver sua fé com toda liberdade”

O Santo Padre, na primeira edição do ano de O Vídeo do Papa, realizado pela Rede Mundial de Oração do Papa, nos chama a respeitar as minorias religiosas na Ásia. Também clama por uma verdadeira liberdade na prática da fé, nesse continente.

(Vaticano, 5 de janeiro de 2018).- Como fez em 2016 e em 2017, o Papa inicia 2018 compartilhando suas intenções mensais através de O Vídeo do Papa. Na primeira edição do ano, Francisco nos pede para respeitar e proteger os cristãos e todas as minorias religiosas da Ásia. Além disso, enfatiza a importância de garantir que esses grupos religiosos possam viver sua fé com absoluta liberdade em cada um dos países do continente.

“Peçamos por todos eles, para que, nos países asiáticos, os cristãos, como também as outras minorias religiosas, possam viver sua fé com toda liberdade”, afirma o Papa. “Coloquemo-nos ao lado dos homens e mulheres que lutam por não renunciar a sua identidade religiosa”, acrescentou.

Com mais de 43 milhões de quilômetros quadrados, a Ásia é o maior continente do mundo e abriga uma inumerável quantidade de minorias religiosas. Além do cristianismo, em diferentes países temos o jainismo, o siquismo, o taoísmo, o zoroastrismo, entre outras. Muitas delas convivem, mas em algumas religiões existem enfrentamentos e perseguições religiosas.

“No variado mundo cultural da Ásia a Igreja enfrenta muitos riscos e sua tarefa é ainda mais difícil pelo fato de ser minoria”, afirmou o Papa. “Esses riscos, esses desafios, são compartilhados com outras tradições religiosas minoritárias às quais nos une em um desejo de sabedoria, verdade e santidade”, acrescentou.

“Faz poucas semanas, o Papa visitou a Ásia, – Myanmar y Bangladesh – e lá já havia destacado a importância de que as diferentes crenças religiosas pudessem viver em harmonia e paz”, comentou o Pe. Frédéric Fornos, SJ, Diretor Internacional da Rede Mundial de Oração do Papa. “A Ásia é um continente muito importante para o anúncio do Evangelho, um continente onde convivem culturas e crenças muito diversas, com muitas minoras religiosas; por isso acredito que Francisco decidiu dedicar este mês para rezar pela liberdade religiosa de todos”, acrescentou.