Papa encontra condecorados com o “Prêmio Ratzinger”

“Sua obra e o seu magistério continuam sendo uma herança viva e preciosa para a Igreja”, afirmou Francisco sobre Joseph Ratzinger, Bento XVI Papa Emérito Bento XVI e Papa Francisco /Foto: Arquivo L’Osservatore Romano O Papa Francisco concluiu sua série …

“Sua obra e o seu magistério continuam sendo uma herança viva e preciosa para a Igreja”, afirmou Francisco sobre Joseph Ratzinger, Bento XVI

Papa Emérito Bento XVI e Papa Francisco /Foto: Arquivo L’Osservatore Romano

O Papa Francisco concluiu sua série de audiências, neste sábado, 18, ao receber na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 200 membros da Fundação Vaticana “Joseph Ratzinger – Bento XVI”, por ocasião da entrega anual do “Prêmio Ratzinger” a ilustres personalidades.

O significado de tal condecoração, explicou Francisco, em seu breve discurso, é a promoção da pesquisa teológica e do compromisso cultural, animado pela fé e pelo impulso da alma para Deus. “A sua oração e a sua presença discreta e encorajante nos acompanham no caminho comum; a sua obra e o seu magistério continuam sendo uma herança viva e preciosa para a Igreja e para o nosso serviço”, dirigiu Francisco seu pensamento ao Papa emérito Bento XVI.

Francisco convidou a Fundação Joseph Ratzinger a continuar estudando e aprofundando esta herança, valorizando a fecundidade dos seus escritos e convidou seus membros a prosseguirem na pesquisa teológica e cultural, que exige fé e diálogo.

O espírito humano, afirmou ainda o Papa, tem urgente necessidade de diálogo e de fé. “Joseph Ratzinger continua sendo um mestre e um interlocutor amigo para todos os que exercem o dom da razão, a fim de responder à vocação humana em busca da verdade. Ele é chamado ‘colaborador da verdade’: um título que bem expressa todo o sentido da sua obra e do seu ministério”, referindo-se novamente Bento XVI.

Às personalidades condecoradas com o Prêmio Ratzinger, pertencentes a três confissões cristãs, Francisco pediu estudo e tradução da verdade de Deus. “A verdade de Cristo não é só para solistas, mas é sinfônica, pois requer uma dócil colaboração e uma harmoniosa partilha. (…) Buscar, estudar, contemplar e traduzir a verdade na prática, junto com a caridade, nos atrai com força rumo à plena união entre nós. Assim, a verdade se torna uma fonte viva de elos de amor, cada vez mais íntimos”, afirmou.

O Santo Padre concluiu sua saudação às personalidades condecoradas com o Prêmio Ratzinger, encorajando a Fundação e a todos os seus amigos a continuarem a percorrer novos caminhos, sempre mais amplos, para colaborarem com a pesquisa, mediante o diálogo e o conhecimento da verdade, sabedoria e amor. encarnados na pessoa de Jesus.

Fonte: Canção Nova.