Perdão sem limites – 24º Domingo do Tempo Comum

Uma atitude muito difícil na vida de uma pessoa, de uma família e também de uma Comunidade é o PERDÃO.

PALAVRA – Evangelho segundo S. Mateus 18,21-35. – Naquele tempo, Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou-Lhe: “Se meu irmão me ofender, quantas vezes deverei perdoar-lhe? Até sete vezes?”. Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”. Na verdade, o reino de Deus pode comparar-se a um rei que quis ajustar contas com os seus servos. Logo de começo, apresentaram-lhe um homem que devia dez mil talentos. Não tendo com que pagar, o senhor mandou que fosse vendido, com a mulher, os filhos e tudo quanto possuía, para assim pagar a dívida. Então o servo prostrou-se a seus pés, dizendo: ‘Senhor, concede me um prazo e tudo te pagarei’. Cheio de compaixão, o senhor daquele servo deu-lhe a liberdade e perdoou-lhe a dívida. Ao sair, o servo encontrou um dos seus companheiros que lhe devia cem denários. Segurando-o, começou a apertar-lhe o pescoço, dizendo: ‘Paga o que me deves’. Então o companheiro caiu a seus pés e suplicou-lhe, dizendo: ‘Concede-me um prazo e pagar-te-ei’. Ele, porém, não consentiu e mandou-o prender, até que pagasse tudo quanto devia. Testemunhas desta cena, os seus companheiros ficaram muito tristes e foram contar ao senhor tudo o que havia sucedido. Então, o senhor mandou-o chamar e disse: ‘Servo mau, perdoei-te tudo o que me devias, porque mo pediste. Não devias, também tu, compadecer-te do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’. E o senhor, indignado, entregou-o aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia. Assim procederá convosco meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar a seu irmão de todo o coração». 

MENSAGEM – Uma atitude muito difícil na vida de uma pessoa, de uma família e também de uma Comunidade é o PERDÃO.  O que a Bíblia nos diz a respeito? No Antigo Testamento, há um aperfeiçoamento sobre o sentido do Perdão: Inicialmente a vingança era aceita: como método para compensar as injustiças recebidas e desencorajar a alguém a repeti-las. Posteriormente, a “Lei do Talião” visou limitar a vingança… Só podia ser proporcional à ofensa recebida: “dente por dente…” No Evangelho, Jesus revela um caminho de Reconciliação. (MT 8,21-35) Continua o 4º Discurso de Jesus (como viver na comunidade): Já vimos a Correção Fraterna; HOJE veremos o PERDÃO Fraterno.

Pedro consulta Jesus sobre os “limites do perdão”: “Quantas vezes devemos perdoar”? Segundo a Tradição: 2, 3 ou 4 vezes no máximo… Pedro propõe até sete. Jesus responde: “70 x 7”, isto é, sempre e Todos, “um perdão sem limites”, inclusive aos inimigos que os judeus não incluíam. O perdão não deve ficar na Quantidade, mas na Qualidade, “de coração“. JESUS ilustra o seu pensamento, com uma Parábola: Um Empregado devia uma fortuna imensa e, por compaixão, foi perdoado. Em seguida, ele, sem compaixão, se recusa a perdoar um companheiro que lhe devia uma quantia irrisória: “Paga-me o que me deves“. O Rei indignado o castiga severamente… E Jesus conclui dizendo: “Assim agirá meu Pai com quem não perdoar seu irmão de todo o coração…” A PARÁBOLA É UMA CATEQUESE SOBRE A MISERICÓRDIA DE DEUS. Mostra como, na perspectiva de Deus, o perdão é “sem limites”, total e absoluto. Depois convida-nos a analisar as nossas atitudes para com os irmãos que erram. O testemunho de Jesus: “Amar até os inimigos…” No Pai Nosso: “Perdoai… como perdoamos…” “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”. “Se estiveres diante do altar… vá antes te reconciliar…” No Filho Pródigo: o Pai misericordioso que perdoa com alegria… Na Cruz: “Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem…” (desculpa…) Motivos para perdoar: Deus nos perdoa, na mesma medida com que nós perdoamos… O amor é o distintivo do Cristão… E às vezes o amor só é possível através do PERDÃO… Quantos casais se desfazem por falta de perdão… Quantos filhos abandonam a família por falta de perdão… Quantas pessoas deixam a comunidade por falta de perdão e acolhida. O Perdão ajuda a romper o círculo vicioso do ódio e da vingança. O que significa perdoar? Não é apenas não se vingar ou “ceder” sempre aos que nos ofendem… É estar sempre disposto a ir ao encontro, a estender a mão, a recomeçar o diálogo, a dar outra oportunidade. E NÓS como é que perdoamos? Como Pedro, contamos quantas vezes? Uma vez sim, duas não… “Perdôo, mas não esqueço… não falo… não o visito mais…” Será esse o perdão generoso, “de coração”, esperado por Deus? Na Parábola, o servo que não perdoou foi para a prisão… A falta de perdão tem consequências pesadas para quem não perdoa… Costuma provocar uma vida azeda e estressante… Só o perdão alivia e restitui a alegria… É a chamada “terapia do perdão”. Qual é a nossa atitude diante do perdão? Temos humildade para pedir o perdão? Demonstramos alegria e gratidão diante de um perdão recebido? Somos generosos em oferecer o nosso perdão? Sabemos que é difícil perdoar. Contudo, vale a pena não desistir. Quem faz a experiência do perdão de Deus e envolve-se numa lógica de misericórdia, deixa-se transformar por ele e assume com os irmãos uma atitude diferente, uma atitude marcada pela bondade, pela compreensão, pela misericórdia, pelo acolhimento, pelo Amor. Amando e perdoando, abriremos espaço para um mundo melhor acontecer… Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa –