Do Tabor ao Calvário – 2º Domingo da Quaresma

PALAVRA – Evangelho segundo S. Mateus 17,1-9.

1450960_679654058753014_1222774475_n

Do Tabor ao Calvário

PALAVRA – Evangelho segundo S. Mateus 17,1-9. 

Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e levou-os, em particular, a um alto monte e transfigurou-Se diante deles: o seu rosto ficou resplandecente como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele. Pedro disse a Jesus: «Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Ainda ele falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra, e da nuvem uma voz dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O». Ao ouvirem estas palavras, os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito. Então Jesus aproximou-Se e, tocando-os, disse: «Levantai-vos e não temais».
Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus. Ao descerem do monte, Jesus deu-lhes esta ordem: «Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos». 

MENSAGEM – A Vida cristã pode ser comparada a uma caminhada que deve ser percorrida na escuta atenta de Deus, na observância total aos seus planos. A Quaresma é um momento forte para rever essa caminhada. Devemos perceber que Deus nos convida a sair de nossa comodidade cotidiana e irmos para águas mais profundas, para sermos um sinal de Deus no meio dos homens. Nós somos peregrinos em busca de uma Terra Prometida. A resposta agradecida ao chamado de Deus requer de nós fé, confiança e fidelidade a toda prova no deserto da vida a exemplo de Cristo, nosso Mestre de vida. No Evangelho, vemos a Caminhada de Jesus: (Mt 17,1-9) A caminho de Jerusalém, Jesus faz o primeiro anúncio da Paixão. O caminho da salvação esperado pelos discípulos é bem diferente. Por isso, ficam profundamente desanimados e frustrados. A aventura parece encaminhar-se para um grande fracasso. Para fortalecer o ânimo profundamente abalado dos discípulos, Jesus toma consigo Pedro, Tiago e João, e revela-lhes no Monte Tabor a glória da divindade.

Após um momento de medo, eles reencontram a paz e a alegria. Com a TRANSFIGURAÇÃO, Mateus quer duas coisas: Revelar: QUEM É JESUS: É “o Filho amado do Pai” e Convidar: “Escutem o que ele diz”. Pela Transfiguração, Deus demonstra que uma existência feita dom não é fracassada, mesmo quando termina na cruz. A Celebração da Transfiguração de Jesus nos faz Testemunhas vivas da meta que nos aguarda. Por que Moisés e Elias? Eles representavam para os israelitas todo o Antigo Testamento. Jesus é a explicação e a realização de toda a Lei e os Profetas. No Monte Sinai, falavam com Deus, aqui estão falando com Jesus… Israel era o filho predileto de Javé. Jesus é o Filho predileto do Pai, que os discípulos devem ouvir. Por isso: “os três levantaram os olhos e viram só Jesus.” Moisés e Elias desapareceram, já cumpriram a sua missão: apresentar ao mundo o Messias, o novo Profeta, o novo Legislador. O Prefácio resume o sentido do evangelho de hoje: “Cristo, depois de anunciar a morte a seus discípulos, mostrou-lhes no Monte santo o esplendor de sua glória para testemunhar, de acordo com a Lei e os Profetas, que a Paixão é o caminho da Ressurreição.” A Nossa caminhada para Deus: Também nós somos chamados por Deus a uma caminhada, que é íngreme e difícil, como a escalada de uma alta montanha. No final dessa viagem, que começa com o BATISMO, seremos envolvidos pela mesma “nuvem luminosa”, que envolveu o Mestre e brilharemos como o sol no Reino do Pai. Como os apóstolos, também seremos tentados a desanimar. Mas Jesus nos dá força para enfrentar e olhar além. Ao transfigurar-se aos apóstolos na glória da Trindade, quis manter viva neles a chama da esperança. Com a sua morte, o sonho não tinha acabado. Por isso, eles e nós não devemos desanimar, por causa da cruz. “Descer o Monte”. Na Transfiguração, Jesus nos revela também o valor da Vida, as belezas criadas por Deus na Natureza que devemos cultivar e guardar. Em Jesus aparece a beleza do ser humano e de toda natureza que o envolve. Diante das ameaças e agressões à Vida, Jesus nos tranquiliza: “Levantai-vos. Não tenhais medo!”. Convida-nos a “descer o Monte” e retomar a dolorosa caminhada em defesa da Vida. Pela Transfiguração, Jesus mostra que essa realidade hostil, em que vivemos, pode e deve ser mudada, transfigurada… O caminho é escutar o Filho amado e segui-lo com fidelidade… Que a Caminhada Quaresmal nos ajude a descobrir esse Cristo glorioso, a escutar e acolher a sua voz para que a Páscoa aconteça dentro de cada um de nós. Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 12.03.2017